Sexta-feira, 14 de Maio de 2010
Festa de Solidariedade: As mulheres como fonte de vida e de paz

Movimento Democrático de Mulheres


sinto-me:

publicado por mdm-viseu às 12:31
link do post | comentar | favorito

Domingo, 21 de Março de 2010
Maria Alda Nogueira: Uma mulher, Uma vida, Uma história de amor (III)

  No dia do 87º aniversário do seu nascimento a partir de hoje publicaremos a transcrição integral de um texto da autoria de Helena Neves, com edição do Movimento Democrático das Mulheres (MDM) sobre Maria Alda Nogueira. Foi publicado em 1987 por ocasião da entrega pelo MDM da Distinção de Honra, numa homenagem a uma vida dedicada à defesa da igualdade, da justiça social e da paz.

 

(continuação)

Encontros e retornos de uma mulher
 

O DESPERTAR
Mesmo aqui ao lado o povo lutando. Ah! Quanta esperança de mudança nascia de terras de Espanha, quanta certeza no Movimento das Brigadas Internacionais. Nunca houve um exército assim. Poetas, escritores, músicos, de todas as artes eram estes guerreiros de uma causa só, estes homens em guerra pela paz, a democracia, a liberdade. Nunca houve um exército assim e nunca as canções de uma só língua se cantaram em tantas línguas. Nunca à mesma hora em tão diversos e longínquos sítios, se aguardava com tamanha ansiedade as novas da frente.
«Nós começámos todos a ouvir clandestinamente as emissões da Rádio Republicana. O meu pai torcia pelos republicanos, contra os franquistas. Eu, entretanto, entrara para o liceu, conhecera novas amigas, iniciei-me na luta. Por essa altura comecei a trabalhar no Socorro Vermelho Internacional recolhendo géneros e roupas para enviar aos nossos amigos espanhóis. Sentíamos um entusiasmo tremendo. Pensávamos que derrotado o fascismo e Espanha, também em Portugal ele não perduraria…»
Sim, nunca houve uma esperança assim partilhada. Nunca as mulheres sonharam tanto o reencontro vitorioso com o amado, a euforia dos corpos reencontrados no ardor da alegria conquistada.
Nunca.
E nunca houve um poeta assim.
                  
Espanha!

Não faças caso de lamentos
Nem de falsas emoções,
as melhores devoções
são os grandes pensamentos.
E ainda que por momentos
o mal que te feriu se agrave,
ergue-te indómita e brava,
em vez de caíres cobarde,
estala em pedaços e arde,
pois antes morta que escrava.

Por isso nunca nenhuma derrota foi tão amarga. Nem tão chorada também.

(continua) 


sinto-me:

publicado por mdm-viseu às 12:09
link do post | comentar | favorito

Sábado, 20 de Março de 2010
Maria Alda Nogueira: Uma mulher, Uma vida, Uma história de amor (II)

 No dia do 87º aniversário do seu nascimento a partir de hoje publicaremos a transcrição integral de um texto da autoria de Helena Neves, com edição do Movimento Democrático das Mulheres (MDM) sobre Maria Alda Nogueira. Foi publicado em 1987 por ocasião da entrega pelo MDM da Distinção de Honra, numa homenagem a uma vida dedicada à defesa da igualdade, da justiça social e da paz.

(continuação)

Encontros e retornos de uma mulher

A ESCOLA  

Na Escola da Tapada, Maria Alda tece as primeiras amizades, a primeira cumplicidade feminina. Aí, entre as carteiras de madeira e o pátio sombreado de verde, faz uma amiga que o será para toda a vida: Adélia Abrantes.

Através da professora, recebe a passagem de algum saber e, fundamentalmente, a aprendizagem de um outro modo de olhar o mundo. Em desafio. A avó completa esta influência. Mais acentuadamente.

«Conheci a minha professora – Lininha – na 2ª classe. Era uma mulher toda despachada, com quem conversava muito, era uma mulher culta, muito aberta, terna, que me ajudou a abrir certos horizontes. No mesmo sentido me influenciou a minha avó.
A minha avó tinha ficado só, o meu avô partira para África e não dera mais sinal de si, e ela ficou com 3 filhas, criando-as a pulso, a trabalho, a cansaço. Era uma mulher com uma grande noção da sua independência, nunca aceitou donativos da filha ou dos genros e quando ia lá a casa, levava sempre a sua galinha. Era uma mulher forte a minha avó

Outras influências se inscreveriam nesse tempo sensível de infância, nessa flor do tempo.

«Também outras as próprias pessoas do bairro me conheciam e com quem me dei, tiveram uma grande influência na minha vida, particularmente um vizinho meu, o coronel Almeida, que foi depois comandante do Quartel da Trafaria. Era um homem formado em Física. Tinha uma certa frustração de não ter seguido a carreira universitária. Era um homem de grande cultura, amante de música, tocava violino e ensinou-me a ouvir óperas, ajudou-me na minha cultura geral e influenciou decisivamente na minha opção de curso, até na medida em que me deu explicações de físico-química e me abriu o universo das ciências. Ele e a mulher não tinham filhos e talvez por isso se me dedicassem tanto!»

Politicamente Maria Alda começa por ser influenciada pelo pai. Operário especializado, o pai de Maria Alda parte em estadia breve para África e no regresso investe numa pequena indústria que florescerá durante a guerra. Bem sucedido na vida, industrial em pujança, o pai de Maria Alda conserva, no entanto, um sentimento antifascista muito vivo.

«O meu pai era profundamente antifascista. O meu pai discutia muito comigo, mais do que com o meu irmão. Praticamente à mesa éramos só nós dois que conversávamos política…”politiquice” como a minha mãe dizia a sorrir. Mas para o meu despertar político confluíram uma série de factores. Não houve assim uma coisa determinante. Mas talvez o fundamental fosse a Guerra de Espanha de 1936 a 39…»

(continua)

 


sinto-me:

publicado por mdm-viseu às 12:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Festa de Solidariedade: A...

Maria Alda Nogueira: Uma ...

Maria Alda Nogueira: Uma ...

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
blogs SAPO
subscrever feeds