Sábado, 29 de Abril de 2017
MDM aprecia positivamente recente acordo no setor do calçado

Indústria-de-Calçado-de-Felgueiras.jpg

 

MDM aprecia positivamente recente acordo no calçado, que minimiza discriminação salarial.

Recentemente, ficamos a saber, através da Comunicação Social (que deu grande relevo à notícia), que o “setor do calçado decidiu por fim às diferenças salariais entre mulheres e homens. O novo contrato coletivo de trabalho abrange quase 40 mil trabalhadores de 1300 empresas”- notícia da RTP, de 18 de abril.

O acordo, agora consumado entre a FESETE (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles) e a APICCAPS (Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos) põe fim às abusivas diferenças salariais entre categorias, valorizando aquelas, onde predomina a mão de obra feminina. Aliás, a consumação da discriminação salarial concretizava-se através de diferentes salários conforme a maior ou menor feminização das categorias (onde se concentrava mais mão-de-obra feminina o salário era inferior).

Este é, sem dúvida, um importante acordo, para acabar com a discriminação salarial num dos setores mais feminizados, cujas mulheres representam mais de 60% da mão de obra que emprega, a que o MDM atribui um significado relevante.

Um significado real, concreto, porque finalmente aplica o direito constitucional da igualdade salarial entre mulheres e homens num setor de atividade muito feminizado, e um significado simbólico porque demonstra ser desejável e possível alargar o princípio de “trabalho igual, salário igual”, a todos os setores de atividade, acabando   com a discriminação salarial, direta ou indiretamente exercida sobre as mulheres trabalhadoras em Portugal.

Não podemos tolerar mais a situação que se vive, no nosso país, onde, em 2016, as diferenças no ganho médio mensal entre mulheres e homens atingiu 21,13%, o que, se tal fosse possível (e o ano não tivesse só 365 dias) obrigaria as mulheres a trabalhar mais 77 dias para atingirem o mesmo ganho dos homens. Mas também não podemos tolerar mais os baixíssimos salários que as mulheres continuam a receber (32% das mulheres trabalhadoras e 19% dos homens recebiam, em 2016, unicamente o correspondente ao Salário Mínimo Nacional e, apesar de serem mais qualificadas que os homens - cerca de 61% dos diplomados com ensino superior - apenas 35,8% ocupavam funções de quadros superiores da Administração Pública, dirigentes e quadros superiores de empresas).

É precisamente a desvalorização salarial das trabalhadoras e trabalhadores da indústria do Calçado que não podemos deixar de lamentar, apesar da negociação do CCT, em matéria de discriminação salarial merecer uma apreciação positiva. Observando a tabela salarial, e conhecendo a situação de grande crescimento económico que hoje atravessa o sector do calçado, fica-nos a sensação de que muito mais era possível ser feito para valorizar o salário das trabalhadoras e dos trabalhadores do setor, uma vez que as remunerações, que foram objeto de alterações, e que se reduziram a categorias da produção, oscilam entre os 559,00 euros e 561,00 euros, pouco mais do que o atual SMN, que é de 557 euros. Ficou ainda sem aumentos grande parte da mão de obra da produção, quadros intermédios e superiores.

O MDM – Movimento Democrático de Mulheres - considera ser o direito ao trabalho, em igualdade, uma condição fundamental para a realização pessoal e emancipação da mulher. Valoriza todas as iniciativas que, na prática, concretizem esses objetivos, mas não pode deixar de recordar que é fundamental intervir para eliminar todas as discriminações de que as mulheres continuam a ser vítimas, ao nível do trabalho, incluindo os baixíssimos salários que recebem.

O MDM tem plena consciência de que, sem o aproveitamento integral das qualificações das mulheres e a valorização do seu estatuto socioprofissional, não é possível o desenvolvimento do País, pelo que continuará a desenvolver a sua ação empenhada de esclarecimento e de luta contra as desigualdades e discriminações que afetam as mulheres, a todos os níveis, na família, no trabalho e no plano social, político e cultural. 

Aveiro, 28 de abril de 2017

MDM - Movimento Democrático de Mulheres



publicado por mdm-viseu às 09:48
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Dia Internacional de Luta...

Exposição Tráfico de Mulh...

Manifestação das Mulheres...

Manifestação Nacional de ...

50 Anos em movimento/Mulh...

Triste sina Melhor fado

25 Novembro Dia Internaci...

MDM aprecia positivamente...

MDM-Núcelo de Viseu parti...

Viseu na Manifestação Nac...

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds