Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2021
A impossível conciliação entre o trabalho e o cuidado das crianças

folheto.png
A epidemia da CoVid 19 veio trazer alterações drásticas à vida de 
todas as mulheres, em particular à da mulher trabalhadora.
O MDM, já durante o primeiro confinamento, em 2020, alertou para a 
sobrecarga de trabalho na vida das mulheres em teletrabalho que tinham 
de tentar conciliar o trabalho, os filhos e as tarefas domésticas. 
Essa situação não só não se alterou, como se agravou.
Em Março de 2020, com o carácter obrigatório do teletrabalho - após o 
fecho das escolas -, os pais que ficaram a cuidar dos filhos menores 
de 12 anos puderam recorrer ao apoio extraordinário facultado pelo 
Estado, ainda que insuficiente. Não só é insuficiente receber apenas 
66% do seu vencimento, como o volume das despesas em casa aumenta, por 
causa do confinamento.
Muitos pais, e na sua maioria mães, nunca voltaram ao trabalho 
presencial, pelo que agora se vêm confrontados, uma vez mais, com o 
encerramento das escolas e as crianças todo o dia em casa. Há ainda a 
situação das famílias em que um dos progenitores está em teletrabalho 
e o outro está impossibilitado de poder aceder ao apoio para 
assistência a filhos menores de 12 anos, porque o Estado considera que 
é possível conciliar o teletrabalho com a assistência aos filhos.
É impossível cuidar, tratar e apoiar crianças enquanto se trabalha, 
focada e com objectivos para cumprir. Têm chegado ao MDM queixas, 
nomeadamente de trabalhadoras de call-centers que tem de cumprir os 
objectivos diários de atendimentos enquanto cuidam dos seus filhos 
que, naturalmente, querem atenção, tendo as trabalhadoras já sido alvo 
de reclamações por parte dos clientes, porque estes “têm de estar o 
telefonema todo a ouvir uma criança a chorar”.
Este cenário significa não só uma sobrecarga para as famílias, e para 
as mulheres, em particular, porque têm duplas e triplas tarefas a dar 
resposta em simultâneo. E para muitas mulheres significa que muitas 
têm de dar resposta a mais despesas, com menos salário!
Esta situação configura uma violência sobre estas mulheres, um 
desgaste emocional profundo tanto nas mulheres como nas crianças, e 
conduz naturalmente à total perda de rendimentos, pois as mulheres 
optam pelo cuidado dos filhos em detrimento do trabalho.
Para o MDM, importa igualmente salvaguardar os casos em que as 
mulheres não podem estar em teletrabalho e têm filhos maiores que 12 
anos. Trata-se de considerar que uma criança com 13 anos, por exemplo, 
pode estar sozinha em casa, todo o dia, preparar refeições e as 
atividades lectivas sem qualquer acompanhamento. Significa considerar 
que é completamente autónoma e capaz de tomar decisões, referentes à 
sua segurança, e ao seu dia-a-dia completamente sozinhas. Neste 
sentido, consideramos que o apoio especial de assistência a filhos 
menores deve ser estendido até às crianças menores de 16 anos.
Esta falta de sensibilidade para a dinâmicas familiares e de respeito 
pelo normal desenvolvimento das crianças, merece da parte do MDM um 
veemente repúdio.
O MDM exige que se altere a lei em vigor de forma a garantir que o 
apoio especial de assistência a filhos menores de 16 anos, permita o 
pagamento a 100% do seu salário, enquanto durar o confinamento e o 
encerramento dos equipamentos de apoio à infância e escolares, mesmo 
em período de férias e pausas escolares; bem como permitir que caso um 
dos progenitores esteja em teletrabalho, este apoio possa ser 
concedido a qualquer dos progenitores, deixando essa opção ao casal, 
permitindo assim um apoio efectivo às crianças e a manutenção do 
rendimento familiar, durante esta época tão difícil para as mulheres.
Não podemos criar mecanismos que perpetuem a penalização das mulheres 
– porque auferem salários mais baixos - a serem duplamente penalizadas 
por serem mulheres e mães.
Não há desculpa para retrocessos!
Fevereiro de 2021
Direcção Nacional do MDM



publicado por mdm-viseu às 20:11
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De concha a 10 de Fevereiro de 2021 às 20:28
Concordo totalmente que não deveria haver lugar a cortes no vencimento de quem fica a tratar dos filhos. Mas 16 anos? Só aos 16 anos são autónomos para ficar em casa? Isso é ridículo.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


posts recentes

A impossível conciliação ...

Comemoração da Revolução ...

MDM - Núcleo de Viseu pre...

Manifestação Nacional de ...

Equipa Feminina do Lusita...

Não à violência dentro e ...

MDM – solidariedade com t...

Boas Festas

Dia Mundial pela Eliminaç...

Viseu participa no X Cong...

arquivos

Fevereiro 2021

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
blogs SAPO
subscrever feeds