Segunda-feira, 25 de Março de 2013
Março mês de Mulher

 

Parceria MDM - Viseu com o IPDJ



publicado por mdm-viseu às 11:52
link do post | comentar | favorito

Sábado, 16 de Março de 2013
Exposições do MDM no IPDJ durante o mês de Março

Durante este mês convidamos-te a passar pelo IPDJ e dar o teu contributo para a Manta que ali está a nascer

 



publicado por mdm-viseu às 22:31
link do post | comentar | favorito

Parceria MDM/IPDJ - Exposição de pintura “Mulheres” de Carlos Almeida



publicado por mdm-viseu às 22:28
link do post | comentar | favorito

Parceria MDM/IPDJ - Exposição A Mulher no Desporto



publicado por mdm-viseu às 22:25
link do post | comentar | favorito

Sábado, 9 de Março de 2013
“Se eu não fosse Mulher…” deu título a tertúlia realizada ontem no IPDJ em parceria com o MDM

 

Evocando o Dia Internacional da Mulher, decorreu ontem, nas instalações do IPDJ em Viseu, uma tertúlia que reuniu mais de meia centena de mulheres e homens, dispostos a reflectir as questões da igualdade, da discriminação e emancipação da mulher.

Em ambiente de festa, o grupo feminino Girafoles, deu o toque para a abertura das intervenções, um poema de Manuel Sá Correia, a tonalidade para as muitas palavras ditas no feminino e no masculino e as exposições envolventes, o colorido próprio da festa que este dia também deve ser.

Foram quinze as oradoras convidadas, com diferentes idades e profissões, singulares percursos de vida, divergentes posturas face à problemática da discriminação das mulheres. Todas elas afirmaram que, “se não fossem mulheres…gostariam…de ser mulheres!”, valorizando este estatuto, apesar de questionarem os papéis que socialmente lhe estão associados.

Em debate vivo, foram abordados os caminhos difíceis da conciliação entre a vida profissional e a vida familiar, as resistências no acesso ao poder e cargos de chefia, a luta travada pela afirmação em contextos de trabalho onde predominam os homens, a violência instalada no quotidiano de muitas mulheres. Não faltou a referência ao desemprego, à precariedade, à repressão exercida pela cultura reinante predominantemente masculina.

Foi fácil concluir que há domínios profissionais, os mais feminizados, onde é mais difícil perceber os sinais da discriminação mas também que, ser mulher e exercer poder, não significa, só por si, respeitar direitos essenciais à mulher, enquanto pessoa humana.

Muitas outras mulheres foram convidadas a dar o seu depoimento mas, por razões que se prendem com a interiorização profunda da desigualdade instituída, entenderam não estar presentes. Eram mulheres com fracos níveis de escolaridade, trabalhadoras não especializadas, a quem a sociedade por norma dá menor atenção e protagonismo, que são repetidamente excluídas, tendo por isso mesmo a sua participação cívica diminuída e a quem é preciso dar visibilidade e voz.

Inevitável, perante isto, é perceber que a desigualdade entre homens e mulheres é apenas uma face da desigualdade que estrutura a sociedade portuguesa e que atira para a margem uma parte significativa dos cidadãos e cidadãs, homens e mulheres de corpo inteiro, força activa e interventiva na construção de um país que é de todos os portugueses mas que é afinal mais de uns que de outros.

Entre o público, encontrava-se uma turma de alunos do Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo a quem foi lançado o desafio de trabalharem para a construção de um “Manta de Retalhos”, em representação daquele agrupamento.

Este apelo é extensivo a todos quantos se desloquem àquelas instalações, e queiram colaborar com este projecto do MDM – Viseu.

A finalizar este evento, ficou a promessa de multiplicar conversas pois em cada intervenção realizada trazia o desafio para muitas outras tertúlias bem como o apelo ao envolvimento da sociedade em acções que diariamente contribuam para esbater as desigualdades.

As próximas iniciativas estão já agendadas para o mês de Abril, mês da resistência e da conquista da liberdade.


Reportagem pode ser vista em  http://www.original-ms.com/



publicado por mdm-viseu às 16:46
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 8 de Março de 2013
A crise está a aumentar “as desigualdades de género”.

Elas sofrem mais com a austeridade do que os homens

"Na próxima terça-feira o Parlamento Europeu vai votar em Estrasburgo um relatório que aponta as medidas da austeridade como uma das principais razões para o aumento das desigualdades entre homens e mulheres na União Europeia. O relatório foi apresentado esta semana em Bruxelas e entre os e as eurodeputadas dos vários grupos partidários a conclusão é óbvia: as mulheres são as maiores vítimas da crise europeia.

Este relatório, que analisa o impacto da crise económica na vida das mulheres, foi elaborado pela Comissão de Direitos da Mulher e Igualdade dos Géneros (FEMM), que tentou apurar se houve de facto um agravamento das condições de vida das europeias. As conclusões do documento apontam que as medidas de austeridade, implementadas nos países sujeitos a planos de ajustamento, “estão a debilitar o estado-providência, a ampliar as discrepâncias na sociedade e a dar origem a injustiças sociais e económicas ainda mais significativas, incluindo desigualdades de género”. Esta será a mensagem levada pela FEMM, não só ao PE mas também à Comissão Europeia, num encontro informal com Durão Barroso que também decorrerá na terça-feira.

Apesar de problemas como a discrepância salarial entre homens e mulheres, a maternidade e a representação feminina em cargos de topo, quer políticos quer empresariais, já serem discutidos na Europa há muito, com a crise estas tendências agravaram-se abruptamente. Os salários entre os dois sexos aproximaram-se - devido principalmente à descida dos vencimentos dos homens e ao aumento de desemprego em sectores tipicamente masculinos, como a construção civil -, mas as mulheres europeias continuam a ganhar, em média, menos 16,2% que os homens (em Portugal a diferença é de aproximadamente 13%).

Para a redactora principal do relatório e vice-presidente da FEMM, Elisabeth Morin-Chartier, esta diferença ocorre porque é a mulher que “paga os custos da maternidade”. Um estudo da OCDE revela que por cada filho a mulher perde 12% do seu salário e, segundo o Eurobarómetro apresentado também esta semana, a percepção dos europeus é que o critério mais importante no recrutamento de uma mulher é ter ou não filhos. Esta realidade é acentuada pela actual “redução das prestações sociais que ajudam na conciliação da vida pessoal e da vida profissional”, segundo a eurodeputada.

Com uma grande predominância das mulheres em trabalhos a tempo parcial e menos qualificados, as reformas laborais na Europa são também apontadas como um dos principais focos de discriminação. A eurodeputada Inês Zucker, membro da FEMM, considera que em Portugal “o congelamento de salários e a retirada subsídios” têm sido alguns dos maiores golpes para as mulheres, apontando ainda que em 2010, no sector da indústria, as trabalhadoras ganhavam menos 32% que os homens que desempenhavam as mesmas funções.

Dois dos diplomas que poderiam ajudar a colmatar algumas das situações de maior desigualdade entre homens e mulheres na União Europeia continuam pendentes. Um deles é a proposta da Comissão para a inclusão de uma cota de 40% para cargos não executivos nas maiores empresas europeias, ao qual alguns países europeus, como, por exemplo, a Alemanha se opõe de veemente e outro é a directiva encabeçada por Edite Estrela, vice-presidente da FEMM, sobre o alargamento das licenças de maternidade para 20 semanas com pagamento integral nos 27. “O Conselho Europeu tem-se recusado a tomar posição para impedir que se inicie processo negocial” acusa Edite Estrela, sublinhando no entanto, que o Parlamento Europeu não está parado e vai insistir na rápida aprovação da medida.

 

Por Catarina Falcão, publicado em 8 Mar 2013, em http://www.ionline.pt/portugal/mulheres-sofrem-mais-austeridade-os-homens

 

 

 

 



publicado por mdm-viseu às 11:23
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 4 de Março de 2013
Tertúlia evocativa do Dia Internacional da Mulher


TERTÚLIA - Quinta-feira 7 de Março, 21 horas, IPDJ



Convidadas:


 Etelvina Verónico (Operária)

 Filipa Mendes (advogada)

Helena Rebelo (Enfermeira)

Lúcia Simões (Responsável pela comunicação - FNAC – Viseu))

Manuela Antunes (Presidente da CPCJ - Viseu)

Maria Faustino (Professora)

Rita João (Arquiteta)

Susana Borges (Psicóloga Clínica)

 

Ainda com intervenções de:


Iara Rolim (Terapeuta Ocupacional)

Irene Martins (Técnica do IPDJ - Viseu)

Manuela Cruz (Voluntária)

Paula Santos (Desempregada)

Rosário Nascimento (Comerciante)

Célia Rodrigues (Fisioterapeuta)


Moderadora / oradora: Filomena Pires

(Membro da Direção Nacional do MDM)

 

 

Participação Especial: Grupo GIRAFOLES

(GRUPO FEMININO DE GAITAS DE FOLES)  Campo – Viseu



publicado por mdm-viseu às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Comemoração do Dia Internacional da Mulher em Viseu

 

O MDM- Núcleo de Viseu, em parceria com o IPDJ leva a efeito, a partir de hoje, 4 de Março, nas instalações daquele Instituto, um programa diversificado de iniciativas comemorativas do Dia Internacional da Mulher.

 

Até dia 28 de Março, podem ser visitadas as seguintes exposições:

  • 40 anos do MDM”, celebrados no ano de 2009;
  • Mantas de Retalhos”, projecto da responsabilidade do MDM - Viseu, que pode ser visitado em https://www.facebook.com/pages/Projecto-Manta-de-Retalhos/404524382929370?ref=hl
  • Exposição de fotografia “A Mulher no Desporto”, de Gil Peres (Jornalista Estação Diária – Viseu / Fotojornalista Jornal "A Bola") – Nuno André Ferreira (Fotojornalista Lusa/Correio da Manhã e Jornal Record)
  • "A Mulher na Banda Desenhada” – GICAV

Dia 7 de Março, pelas 21 horas, realiza-se a Tertúlia “Se eu não fosse mulher… caminhos da desigualdade, identidade e diferença”

 


No dia 27 de Março, Dia Mundial do Teatro, pelas 21h15, serão representados os “Monólogos da vagina” de EVE ENSLER, pelo Grupo “Molhe de Grelos”, com encenação de Ana Lopes seguido de debate sobre a violência exercida sobre as mulheres, animado pelo MDM.

 

A comemoração integra ainda a distribuição de rua de um documento alusivo à efeméride.

 



publicado por mdm-viseu às 12:52
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Dia Internacional de Luta...

Exposição Tráfico de Mulh...

Manifestação das Mulheres...

Manifestação Nacional de ...

50 Anos em movimento/Mulh...

Triste sina Melhor fado

25 Novembro Dia Internaci...

MDM aprecia positivamente...

MDM-Núcelo de Viseu parti...

Viseu na Manifestação Nac...

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds