Segunda-feira, 30 de Julho de 2012
Excepcional receptividade à Manta de Retalhos em Tondela

 

 

 

  A Manta de Retalhos mais uma vez saiu à rua. Foi numa tarde quente de domingo que procurámos as palavras que as mulheres de Tondela tinham para nos dizer. A receptividade foi tão boa que os próprios homens se envolveram colaborando com as mulheres que acompanhavam mas também tomando a iniciativa de escrever e contribuir para o crescimanto da Manta.

  Retalhos, marcadores, agulhas e linhas, teceram as denúncias e os elogios, os desejos e os pedidos, os sonhos e as revoltas.

  Dos testemunhos registados, destacamos a denúncia do desemprego jovem no Concelho, a afirmação do direito que as mães trabalhadoras têm a ter direitos "Queria respeito...", escreveu uma jovem mãe sobre o retalho, numa expressão de desencanto  e revolta. Em tempo de "crise" direitos específicos das mulheres estão fortemente ameaçados - o FMI considera que as mulheres protuguesas passam muito tempo em casa tomando conta dos seus filhos sabendo nós que os dados comprovam que Portugal é o país onde as mães mais trabalham a tempo inteiro!

  À conversa e à manta veio também a questão dos direitos das famílias mais atípicas, menos tradicionais mas funcionais.

  O papel da mulher no seio da família foi talvez o tema mais abordado: para valorizar e elogiar mas também para trazer à Manta a questão das violências exercidas sobre as mulheres. "Eu queria ver o fim da violência contra as mulheres" diz um retalho cozido com o afecto das mãos que o acolheram. Entre os testemunhos mais dolorosos de ler encontramos a citação das palavras proferidas por um homem agresor: "Ela anda com outros homens, já há muito tempo não me faz o serviço!". A violência das palavras mostra bem o quanto há a fazer na promoção de uma mentalidade que respeite e dignifique a vida no feminino, a necessidade premente de trabalhar as concepções interiorizadas nos diferentes contextos de desenvolvimento/educativos, de alterar estereótipos e preconceitos veiculados na comunicação social, transmitidos em manifestações culturais eivadas de uma percepção profundamente machista. Não podemos deixar de questionar aqui a eficácia dos Planos para a Iguladade concebidos e implementados pelos governo PS e PSD/CDS.

  Na bagagem trouxemos muitos contactos de muleres e homens que manifestaram vontade de receber informação sobre o projecto, sobre o MDM - Núcleo de Viseu e do Movimento Democrático de Mulheres na sua intervenção nacional.

  Antes que termine o verão voltaremos ao contacto com as mulheres do distrito de Viseu, num Concelho a anunciar brevemente.

  Para além da nossa programação, estaremos sempre disponíveis a levar a manta  a todos os locais que as mulheres e os homens nos forem sugerindo.

 

 



publicado por mdm-viseu às 11:28
link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Julho de 2012
...

 


Um dia voltarei à morada das papoilas

colher os versos vermelhos
que semeei na seara
Um dia o vento estará maduro.

Albano Martins

 

 

 



publicado por mdm-viseu às 23:43
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Julho de 2012
Manta de Retalhos em Tondela

 

 

 

    Projecto Manta de Retalhos em Tondela

 

      Tendo a pretensão de levar o projecto a todos os Concelhos, o MDM escolheu para esta segunda iniciativa Tondela, querendo avaliar as dificuldades sentidas pelas mulheres nos diversificados contextos em que decorrem os seus dias.

 

 

 

    A iniciativa decorrerá no Parque Urbano, a partir das 15 horas do próximo Domingo e é aberta à participação de todas as mulheres que assim o desejarem.

     O projecto “Manta de Retalhos” pretende criar espaços de encontro, convívio e partilha de experiências, dar voz e visibilidade aos anseios e reivindicações das mulheres do distrito de Viseu.

 

    Com este projecto o Movimento Democrático de Mulheres faz nascer e crescer uma manta tão colorida quanto subversiva, construída com o contributo que cada mulher quiser trazer, com a cumplicidade de quem luta pelo direito a ter direitos, com a força da identidade feminina.

 



publicado por mdm-viseu às 14:00
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Julho de 2012
A Manta de Retalhos vai estar no VIDAS ALTERNATIVAS

alt   A nossa Manta de Retalhos vai ser falada no programa de rádio Vidas Alternativas, um projecto de rádio que apela à participação cívica e política.


   Nas palavras dos seus criadores trata-se de um espaço " organizado por gente livre à procura de solidariedades globais e locais e que decidiu explorar o ciberespaço enquanto oportunidade de novas liberdades"


   Este Programa está disponível em várias plataformas em simultâneo: Rádio Zero, do Instituto Superior Técnico (radiosero.pt), Opus Gay (opusgay.org), Rádio Sempre (radiosempre.com), Free Zone Informação Alternativa (freezone.pt) e Vidas Alternativas (vidasalternativas.eu). É ainda emitido pela Rádio Beira Interihttp://www.vidasalternativas.eu/or (92.0) e pela Rádio Guadiana (90.5). VidasAlternativas271.


Não deixem de visitar em:

http://www.vidasalternativas.eu/



publicado por mdm-viseu às 10:55
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 5 de Julho de 2012
Cinco anos da lei da IVG

 

 

Carta Aberta aos deputados e deputadas

Cinco anos da lei da IVG – a avaliação só pode ser positiva!

 

Está nas vossas mãos não permitir retrocessos nos direitos das mulheres!

 

Quando passam cinco anos sobre a aplicação de uma Lei cujos resultados permitiram, finalmente, que a interrupção voluntária da gravidez em Portugal, deixasse de ser crime, o MDM – Movimento Democrático de Mulheres - não pode deixar de assinalar o avanço civilizacional que constituiu a implementação pelo SNS dessa Lei, a dignidade que se restituiu legalmente às mulheres e a garantia de uma saúde sexual e reprodutiva informada sem peias moralistas para mulheres e homens de todas as idades.

 

Não deixando de acompanhar esta questão que durante anos nos mobilizou, o MDM alerta para a necessidade de que o Serviço Nacional de Saúde assuma as suas responsabilidades no cumprimento da Lei 16/2007 de 17 de Abril em todas as suas vertentes, nomeadamente colmatando deficiências que persistem no que respeita aos recursos humanos, no cumprimento dos procedimentos que permitam informar atempadamente cada mulher que realiza uma IVG sobre a contracepção adequada, garantindo igualmente as consultas de saúde sexual e reprodutiva previstas na lei para as recomendações particulares e necessárias a algumas situações, no quadro da sua confidencialidade.

 

Os Relatórios da DGS e da IGAS (2008, 2009, 2010 e 2011) mostram-nos que não tem aumentado o número de IVG na sua totalidade. Todos concluem que o sistema público tem procurado dar resposta no sentido da realização do aborto seguro; constata-se que a IVG tem mesmo diminuído entre as jovens menores de 15 anos, o que deixa antever o aumento da eficácia do Planeamento Familiar em Escolas ou Centros de Saúde; verifica-se que as reincidências – nos 35 anos de vida fértil das mulheres - apenas uma percentagem residual de 1,3% tem recidivas, e elas verificam-se em mulheres com 50 anos ou mais (o que não se pode desligar do longo período até 2007, em que a Interrupção da gravidez era proibida).

 

No que se refere ainda aos Dados tornados públicos não podemos deixar de chamar a Vossa atenção, Senhoras e Senhores deputados, para o facto de 32, 37% das IVG serem feitas nos estabelecimentos privados, sendo que as mulheres são enviadas por hospitais (EPE) que fizeram de imediato protocolos com instituições privadas ou por hospitais onde todos os médicos são objectores de consciência. Ora também alguns relatórios chamam a atenção para a necessidade da Ordem dos Médicos se pronunciar sobre o alcance e âmbito do conceito de objecção de consciência, porquanto ela só é requerida para a IVG, e chamam a atenção que os custos nos privados são mais elevados.

 

Hoje aumentam as nossas preocupações com o recrudescimento de algumas concepções e visões obscurantistas e retrógradas que não desistem de pedir para “alterar ou revogar a lei no todo ou em parte”, alheias que estão aos números do aborto clandestino e suas sequelas antes da entrada em vigor da Lei e alheias que estão também às possibilidades abertas com o desenvolvimento técnico-científico sobre a matéria da reprodução humana. Eivados de preconceitos e de teorias fixistas, os signatários de uma petição que será discutida na AR a 5 de Julho, curiosamente encabeçada por muito mais homens do que mulheres, veiculam dados de análises parciais amputadas aos diferentes relatórios da DGS ou da IGAS, enviesando uma avaliação de resultados de 2007 a 2011 que, em nosso entender, só pode ser positiva, ainda que naturalmente os dados identificados como mais negativos (que são uma percentagem residual) possam ser melhorados. Melhorados com respeito pelas decisões das mulheres e melhorados na prevenção e na informação às mulheres, designadamente pelo Serviço Nacional de Saúde.

 

Sem dúvida, cremos nós, que os resultados serão ainda melhorados se opções tomadas pelo Governo na área da saúde, na área social e do emprego das mulheres, na área da segurança social para a maternidade e para a família, não forem limitativas da fecundidade, da natalidade, e do desejo de ser mãe com condições dignas.

 

Estando a interrupção voluntária da gravidez directamente relacionada com a decisão de uma maternidade consciente e responsável, não podemos deixar de manifestar a nossa preocupação pelas dificuldades acrescidas com cortes nos subsídios de maternidade em Portugal, num contexto social marcado pelo desemprego, baixos salários, precariedade, aumento do custo de vida, regressão nos direitos e nos apoios sociais fundamentais para o exercício da maternidade/paternidade.

 

O MDM chama a atenção que, medidas de agravamento de taxas da saúde ou de criação de taxas para a IVG, não só impedirão muitas mulheres de ir a consultas, de realizar o aborto seguro nos serviços de saúde, mas arrastarão muitas para o aborto clandestino em condições de grande vulnerabilidade. Ao mesmo tempo, surgirão novas doenças, com custos imparáveis. Custos em dinheiro, naturalmente. Mas sobretudo custos em vidas humanas. Com a certeza que não são essas taxas que resolvem os problemas financeiros do País, elas servirão apenas para retirar direitos e segurança às mulheres.  

 

Num período de tão grave crise económica das famílias, de pauperização continuada e brutal, sendo as mulheres as primeiras a abdicar de si para colmatar despesas, há que preconizar - como nunca - as condições materiais para o exercício da saúde sexual e reprodutiva, aliás um valor inestimável da igualdade intrinsecamente ligado à condição da mulher – mãe e trabalhadora, cidadã de corpo inteiro, que tem o direito de optar e decidir da sua vida pessoal e social.

 

O MDM continua a defender a função social da maternidade/paternidade e a necessidade de medidas efectivas que a apoiem. Apoia a implementação efectiva da educação sexual nas escolas e do acesso ao planeamento familiar por todas e todos, com o reforço de locais de consultas para a saúde sexual e reprodutiva. Apoia a concretização de melhores condições de vida e de trabalho para as mulheres, no alargamento de uma rede social de apoio à maternidade e às famílias, condições básicas para um planeamento adequado ao projecto de vida de cada mulher. Apela ao cumprimento da Resolução política 46/2010 sobre “O direito à informação e acesso aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres ao longo do seu ciclo de vida” e toda a legislação que salvaguarde o direito constitucional à saúde em igualdade, nomeadamente a lei da IVG 16/2007 e a portaria 741-A/2007 de 21 de Junho e a lei 60/2009 da Educação Sexual. 

Esperamos a Vossa melhor atenção no respeito pela salvaguarda da dignidade das mulheres.

 

A Direcção Nacional do

Movimento Democrático de Mulheres

 

Lisboa, 04 de Julho de 12

 



publicado por mdm-viseu às 23:20
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 3 de Julho de 2012
Acampamento pela Paz

Mais uma vez, o MDM foi convidado a participar no acampamento pela Paz de dias 27 a 29 de Julho, em Avis, onde irão decorrer várias iniciativas, desde concertos, debates, pintura de murais, peddy-papers etc, etc...

Este acampamento conta com várias organizações de juventude, de âmbitos diversos, e tal como noutros anos, o MDM tem feito valer a sua participação, nomeadamente com banca de material, em debates e acções em torno das questões das mulheres. 

 A todas as amigas que se queiram juntar a este acampamento endereçamos o convite e pedimos que nos enviem um e-mail a confirmar a presença (mdm-viseu@sapo.pt)

 



publicado por mdm-viseu às 17:21
link do post | comentar | favorito

Domingo, 1 de Julho de 2012
Mulheres de Carregal do Sal aderiram ao projecto Manta de Retalhos

O MDM – Núcleo de Viseu, esteve este domingo em Carregal do Sal, com o projecto Manta de Retalhos.

Este projecto procura ir ao encontro das mulheres para delas ouvir os anseios, os medos e as angústias sentidas quotidianamente, visando também criar um espaço de reivindicação e tomada de consciência de direitos. Percorrendo o distrito de Viseu, Concelho a Concelho, permitirá obter um retrato real da vida das suas mulheres, um diagnóstico das necessidades de intervenção em prol da dignificação da sua existência.

Durante a iniciativa foram contactadas dezenas de mulheres que se envolveram na construção de uma manta, acolhidos contributos espontâneos que a pouco e pouco foram dando corpo e expressão à Manta.

Entre a surpresa e a curiosidade pela originalidade da iniciativa, ouvimos desabafos marcados pela desigualdade e pela descriminação, hoje agravadas por uma austeridade injusta e desumana. Ouvimos relatos de assédio moral no local de trabalho, de incompreensão face à exploração desumana em que decorrem os dias, das dificuldades económicas agravadas.

 Quando acompanhadas, mais difícil se tornou a receptividade aos documentos distribuídos bem como a colaboração com o projecto. As que vinham apenas acompanhadas pelos filhos, como quem se sente acolhido, demoravam na leitura dos retalhos já escritos, na partilha deste sentimento de que são as mulheres quem melhor compreende os problemas das mulheres, nesta certeza de que organizadas poderão contribuir para a mudança que o país tanto precisa.

Depois do êxito alcançado o projecto ganhou um novo impulso. Brevemente o MDM divulgará o Concelho onde se vai realizar a próxima iniciativa do projecto.




publicado por mdm-viseu às 22:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Dia Mundial pela Eliminaç...

Viseu participa no X Cong...

X Congresso MDM - Igualda...

Romper Silêncios nos Jard...

Dia Internacional de Luta...

Exposição Tráfico de Mulh...

Manifestação das Mulheres...

Manifestação Nacional de ...

50 Anos em movimento/Mulh...

Triste sina Melhor fado

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds