Sexta-feira, 23 de Abril de 2010
Sofia Ferreira: 1 de Maio de 1922 / 22 de Abril de 2010

 

Sofia de Oliveira Ferreira Santo, aos 87 anos, nascida a 1 de Maio de 1922, em Alhandra, Sofia Ferreira era filha de trabalhadores agrícolas, tendo dedicado toda a sua vida ao PCP e à luta pela democracia, a liberdade e o socialismo.

Tendo aderido ao Partido Comunista Português em 1945, Sofia Ferreira passou à clandestinidade em 1946. Exercendo diversas responsabilidades desde esse momento – primeiro na imprensa clandestina, depois em tarefas junto do Secretariado do Comité Central, e mais tarde integrando a Organização Local do Porto onde foi responsável pela organização partidária em empresas têxteis e em serviços da Função Pública –, Sofia Ferreira foi eleita para o Comité Central no V Congresso em 1957, responsabilidade que manteve até 1988.

Presa pela primeira vez em 1949 na casa do Luso com Álvaro Cunhal e Militão Ribeiro, Sofia Ferreira voltaria a conhecer a prisão e a tortura em 1959, tendo passado mais de 13 anos nas prisões fascistas.

Depois de algum tempo na União Soviética, Sofia Ferreira regressa em 1969 à luta clandestina assumindo, primeiro, tarefas na Organização Regional de Setúbal, integrando depois a Direcção Regional de Lisboa tendo  desempenhado várias tarefas de responsabilidade até ao 25 de Abril de 1974.

Assumindo papel importante nas acções reivindicativas pela libertação imediata dos presos políticos, pela extinção da PIDE, pelo fim da censura e pela defesa e consolidação das liberdades democráticas, Sofia Ferreira assumiu no Portugal de Abril tarefas na Direcção das Organizações Regionais de Lisboa, Setúbal e Beira Litoral. Sofia Ferreira integrava desde 1987 o Grupo de Trabalho do Arquivo Histórico do PCP tarefa que desempenhou com a dedicação e  empenho que a acompanhou em todo o seu percurso partidário.

Nota do Secretariado do CC do PCP

 

Mulher que se destacou na luta das mulheres contra a opressão fascista e foi umas das mais entusiastas pioneiras dos movimentos de mulheres e em particular do MDM. O MDM e as portuguesas devem-lhe um grande tributo pela sua luta, pelo seu sofrimento, pelo seu exemplo e dedicação, não podendo deixar de lhe prestar a nossa homenagem.


sinto-me:

publicado por mdm-viseu às 14:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Dia Internacional de Luta...

Exposição Tráfico de Mulh...

Manifestação das Mulheres...

Manifestação Nacional de ...

50 Anos em movimento/Mulh...

Triste sina Melhor fado

25 Novembro Dia Internaci...

MDM aprecia positivamente...

MDM-Núcelo de Viseu parti...

Viseu na Manifestação Nac...

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Novembro 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds