Terça-feira, 21 de Setembro de 2010
Dia Internacional da Paz

 

Paz sim! Militarização não!

 


Assinalando-se hoje o Dia Internacional da Paz, na coincidência com o Dia da Defesa Nacional para o qual o Governo mobilizou as mulheres pela primeira vez, e com a brevidade da realização da Cimeira da Nato em Portugal, o MDM denuncia os reais perigos e ameaças aos povos mas também o desvirtuamento conservador dos ideais de Igualdade, Desenvolvimento e Paz que sob a égide das Nações Unidas congregaram milhões de mulheres e milhares de organizações feministas e de mulheres em prol dos direitos e da dignificação das mulheres.

 

O mundo e o planeta atravessam neste primeiro decénio do Sec.XXI, um perigoso e instável equilíbrio, face às ameaças de nova corrida aos armamentos, do fabrico de novas armas de destruição massiva e quando no horizonte se vislumbram ameaças de instalação de novos armamentos na Europa por parte da NATO.  

 

As várias Conferências da ONU sobre as questões das mulheres foram um passo gigantesco no reconhecimento da relação indissociável entre os direitos das mulheres, o Desenvolvimento social e humano e a Paz.

Segundo a Plataforma de Acção aprovada na Conferência de Pequim, em 1995,

 

Constitui um importante factor de progresso para as mulheres um ambiente que mantenha a paz mundial e que promova e proteja os direitos humanos, a democracia e a solução pacífica dos conflitos, em conformidade com os princípios de não agressão e uso da força contra a integridade territorial ou a independência politica, e de respeito pela soberania, enunciados na Carta das Nações Unidas.

 

 

15 anos depois da Conferência de Pequim, numa linha de seguidismo obediente e cego à estratégia da Nato, o Ministério da Defesa convoca este ano, as mulheres para o Dia da Defesa Nacional, com o pretexto de que pela primeira vez a Igualdade de direitos, sem diferença de género, está sendo cumprida. Independentemente de se considerar que mulheres e homens deverão desempenhar tarefas de responsabilidade e de partilha de poder, o MDM reafirma que não só os dados estatísticos desmentem que a igualdade entre mulheres e homens esteja sendo cumprida como até tem aumentado no plano da discriminação do trabalho, da feminização da pobreza e de muitos outros indicadores como são as desigualdades nos salários, a hierarquização profissional ou a sua inserção na vida política numa demonstração de real desvalorização do estatuto da mulher portuguesa. Contrariamente ao que diz o Ministro da Defesa, a igualdade das mulheres está longe de estar cumprida e as desigualdades não param de aumentar e para o MDM, elas tenderão a aumentar mais se não forem travados os desígnios belicistas e armamentistas dos detentores do poder económico centrado na indústria militar.

O que é preciso afirmar é que a luta pelos direitos das mulheres e pela igualdade em Portugal e no Mundo foi e será sempre indissociada da luta pela Paz, sendo certo que as guerras e a crescente militarização tem sido o obstáculo maior à igualdade e ao desenvolvimento dos povos e causas da pobreza, da fome e indignidade em que milhões de famílias vivem 

O MDM exige ao Governo português que tenha uma postura de defesa transversal da soberania, da independência, da não ingerência, da não agressão, da resolução pacífica dos conflitos, da igualdade entre Estados e entre povos; uma postura de pôr fim a quaisquer formas de agressão, não só do domínio privado mas sobretudo do domínio público que violentam a dignidade das mulheres; uma postura que ponha termo ao desarmamento e se encaminhe para a dissolução dos blocos político-militares, cumprindo e fazendo cumprir a Constituição da República e também a Carta das Nações Unidas.

No Seminário do MDM "Mulheres pela Paz" a realizar no dia 23 de Outubro em Lisboa, procuraremos a convergência de Mulheres, apelando às mulheres, cidadãs, trabalhadoras, de credos e ideologias diversas para que dêem as mãos pela paz - porque as guerras são indissociáveis da fome, das desigualdades sociais, económicas e de género. As guerras e as despesas com os armamentos estão de braço dado com a crescente exploração e com a dominação humilhante de uns sobre os outros. As guerras e o militarismo são entraves maiores à luta de libertação das mulheres em Portugal e no Mundo.

 

O MDM apela às mulheres que, no dia 20 de Novembro, engrossem a Manifestação em Lisboa, de repúdio pela Cimeira da NATO em Portugal, e contra o envolvimento de tropas portuguesas nas missões militares da NATO, que têm um carácter cada vez mais agressivo, militarista e expansionista incompatível com o desejável equilíbrio de género e de segurança que tanto apregoa.

 

MDM-Movimento Democratico de Mulheres -  Lisboa, 21 de Setembro de 2010


sinto-me:

publicado por mdm-viseu às 20:58
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Capas de Jornais a 22 de Novembro de 2010 às 17:32
Tantos portugueses com fome e gastam milhoes nesta cimeira da Nato


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


posts recentes

MDM aprecia positivamente...

MDM-Núcelo de Viseu parti...

Viseu na Manifestação Nac...

Mulheres de Viseu na Mani...

Desfile/Manifestação de M...

Mês da Prevenção dos Maus...

Movimento de Mulheres em ...

"Na Palestina - Rostos de...

"Olhar Feminino sobre as ...

Dia Internacional de Luta...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Abril 2016

Março 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Junho 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

todas as tags

LIGAÇÕES
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds